CURSO DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE AGENTES AMBIENTAIS

APOIO

  • Carga horária: 12hs

  • Domingos – 2h/aula dia

  • Total : 06 domingos

  • Início: 25 de março de 2018

  • Término: 29 de abril de 2018

CURRICULUM DOS PROFESSORES

  • Francisco Carrera

Francisco Carrera é advogado, escritor, professor de Direito, coordenador de cursos de Pós Graduação em Direito Ambiental e Urbanístico, é pós graduado em Auditoria e Perícias Ambientais, Mestre em Direito da Cidade pela UERJ, autor e co-autor de diversas obras de direito ambiental e urbanístico.Formou-se em 1992 pela Universidade Santa Úrsula, Elaborou diversos planos Diretores em cidades, é Assessor de diversas empresas na área de direito ambiental e empresarial. Atualmente é assessor Jurídico do Instituto Eventos Ambientais- IEVA, professor da Escola de Magistratura do Rio de Janeiro - EMERJ, e professor convidado do MBE da COPPE/UFRJ. É membro do Instituto dos Advogados Brasileiros - IAB, É presidente da Comissão de Direito Urbanístico da OAB- Barra da Tijuca, e professor coordenador do Curso de Pós Graduação em Direito Ambiental da Faculdade AVM - UCAM. Possui mais de 500 Artigos e publicações especializadas.

  • Simone Hipólito

Guia de Turismo Especializada em Atrativos Naturais com ênfase na realização de projetos no turismo pedagógico voltado para jovens e adultos. Instrutora técnica no treinamento individual para o desenvolvimento de lideranças nas organizações empresariais. Realização de projetos Interdisciplinares voltados para crianças e jovens nas unidades de conservação ambiental com proteção integral (parques municipais, estaduais e nacionais de uso público) e instituições ambientais. Realização de atividades que desenvolvam a percepção para a preservação e conservação da natureza, capacidade física, habilidades motoras e cognitivas para a educação socioambiental (atividades baseadas nos parâmetros curriculares e diretrizes do Ministério da Educação). Atuação em treinamentos individuais para o desenvolvimento de habilidades técnicas, através de atividades no Turismo de Natureza (ecoturismo e turismo de aventura) que favorecem o autoconhecimento. Projetos com ênfase na experiências vivencias em educação ao ar livre e atividades na natureza (caminhadas terrestres, escalada) com foco no desenvolvimento da capacidade física e as habilidades cognitivas para transpor os desafios do cotidiano e lidar com a tomada de decisões nas relações interpessoais e organizações corporativas.

OBJETIVOS

  • Incentivar o desenvolvimento da atividade turística em bases locais e sustentáveis;

  • Promover a preservação e a conservação do ambiente mediante processo de educação ambiental e patrimonial;

  • Contribuir para o monitoramento de possíveis impactos socioambientais da atividade de condução;

  • Fomentar a valorização do patrimônio natural e histórico-cultural das comunidades envolvidas na atividade de condução;

  • Conduzir com segurança visitantes e turistas em espaços naturais e/ou áreas legalmente protegidas, orientando e interpretando aspectos ambientais e socioculturais dos atrativos (sítios) turísticos existentes localmente;

  • Contribuir com a proteção ambiental e auxiliar no monitoramento dos impactos ambientais da visitação;

PROGRAMAÇÃO

  • Fundamentos Naturais do Meio Ambiente Fundamentos Sociais do Meio Ambiente

  • Desenvolvimento Sustentável e Educação Ambiental Legislação Ambiental Aplicada Lazer, Turismo e Desenvolvimento Sustentável

  • História, Cultura e Patrimônio Meio Ambiente Local e Regional

  • História e Cultura Local e Regional

  • Elaboração e Execução de Roteiros e Visitas Condução Ambiental

  • Conceitos Desenvolvimento Sustentável

  • Unidades de Conservação do Brasil

  • O Turismo e suas Categorias: Guia de Turismo e Condutores de Visitantes

  • Técnicas de Condução de Visitantes

  • Por que Conduzir Visitantes?

  • Tipos de Visitantes

  • Funções e Responsabilidades do Condutor

  • Funções e Responsabilidades do Condutor para com a Natureza

  • Funções e Responsabilidades do Condutor para com a Comunidade Local

  • Tamanho do Grupo e da Equipe de Condutores

  • Técnica Profissional Técnicas de Caminhada em Grupo

  • Interpretação Ambiental

  • O que levar para uma caminhada?

  • Vestuário para Caminhadas

  • Equipamentos de Excursionismo

  • Alimentação para Caminhadas

  • Segurança

  • Primeiros Socorros

  • Técnicas de Excursionismo de Mínimo Impacto

  • Roteiro e Produto Turístico

  • Cartografia orientação e navegação

  • Ética Profissional

  • Associativismo

  • Conclusões e reflexões

JUSTIFICATIVA

  • Os condutores ambientais locais  são representantes e valorizadores da cultura local, além de promotores da conservação dos ecossistemas visitados e de uma nova consciência ambiental dos visitantes – podem ser vistos como uma das vias promotoras do ecodesenvolvimento turístico, em contraposição ao turismo de massa

  • Utilizando-se da educação ambiental, o condutor tem um papel fundamental na significação da jornada em detrimento do destino. Quando se interpreta os aspectos integrantes da paisagem e quando se relaciona com o visitante de uma forma mais humana e pessoal, todo o percurso passa a ser mais significativo e prazeroso

  • O condutor ambiental local tem a obrigação de promover um diálogo de saberes em suas atividades interpretativas, tanto pelo seu comprometimento social com a comunidade local e respeito ao etnoconhecimento associado, como pelo conhecimento científico, normalmente adquirido em cursos de capacitação. Além disso, seu sucesso profissional pode estar atrelado à promoção desse diálogo

  • Assim, uma vegetação aparentemente percebida pelo visitante como um “matagal” sem função, pode então ser ressignificada como uma vegetação de transição, com sua beleza própria, capaz de criar condições sem as quais um ecossistema em equilíbrio não poderia estabelecer-se

  • O condutor ambiental local tem o comprometimento de auxiliar órgãos públicos ligados ao meio ambiente e à cultura no monitoramento de ecossistemas locais e do patrimônio cultural visitado. Essa é uma das suas contrapartidas ambientais e sociais, promovendo a perpetuação e manutenção de seu local de atuação

  • O condutor ambiental local tem uma atuação que se constrói na interface entre sociedade e ambiente. Isto é, seu papel social pressupõe a capacidade de conduzir visitantes e turistas em ambientes naturais, possibilitando uma (re)interpretação da natureza. Já seu papel ambiental se baseia na capacidade de promover formas de interação com o ambiente que levam em conta a importância de conhecê-lo para valorizá-lo e conservá-lo, tanto por ele próprio quanto pelos visitantes e turistas conduzidos

  • Um dos papéis que diferenciam o condutor ambiental de outros profissionais do turismo é o uso respeitoso e contextualizado dos saberes locais e memórias populares em suas interpretações, sem sua descaracterização ou banalização frente aos conhecimentos científicos

  • Todo e qualquer programa de visitação com base no ecodesenvolvimento deve incluir a comunidade em suas práticas, constituindo-se em um turismo de base local que proporciona efetivamente um desenvolvimento social. Nesse contexto, o condutor ambiental tem um papel essencial, com a valorização de atividades tradicionais sustentáveis e o estímulo ao envolvimento comunitário. Valorizar o artesanato local, a comida típica da comunidade e o transporte realizado por pescadores artesanais são exemplos concretos desse papel

MATERIAL DIDÁTICO

  • Textos

  • Apostila

  • Cartilhas

  • Materiais para oficina

  • Customização dos alunos

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

  • Aulas teóricas dialogadas com uso de recurso audiovisual

  • Aulas práticas com visitas locais e simuladas Leitura e discussão de textos

  • Recursos Didáticos

  • Quadro branco, apagador e pincéis

  • Computador, projetor multimídia e caixa de som

  • Material impresso (textos, relatórios, artigos, etc)

  • Mídias digitais (músicas, vídeos, softwares)

  • Avaliação

  • Trabalhos individuais e em grupo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • CAETANO, M. J. Ética e meio ambiente: reflexões sobre os lugares do homem na contemporaneidade. In: Saberes ambientais – desafios para o conhecimento disciplinar. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008. p.180-192.

  • CHIMENTI, Silvia; TAVARES, Adriana de Menezes. Guia de Turismo: o profissional e a profissão. São Paulo: SENAC São Paulo, 2007.

  • COELHO, Paulo Jorge. Condução de grupos no turismo. São Paulo: Chronos, 2002.

  • DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. 6 ed., São Paulo: HUNCITEC / NUPAUBUSP/CEC, 2008. 198p.

  • FERREIRA, L. F. Reunião de trabalho sobre oferta de educação profissional em turismo e hospitalidade pela Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Florianópolis: PROECOTUR/MMA/BRASIL, 2008.

  • FERREIRA, L. F.; COUTINHO, M. C. B. Ecoturismo: a importância da capacitação profissional do condutor ambiental local. In: Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. Barueri, SP: Manole, 2010. p.349-381.

  • HINTZE, Helio. Guia de turismo: formação e perfil profissional. São Paulo: Roca, 2007.

  • LARAIA, R.B. Cultura, um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

  • LEFF, E. Saber ambiental: do conhecimento interdisciplinar ao diálogo de saberes. In: Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001. 240p.

  • MAMEDE, Gladston. Agências, viagens e excursões: regras jurídicas, problemas e soluções. Barueri: Manole, 2003. MELLO, L. A. Análise reflexiva acerca da relação entre turismo e desenvolvimento local: bases conceituais. Revista Espaço Acadêmico, N o 72, 2007.

  • SANTOS, A. L. S.; PEREIRA, E. C. G.; ANDRADE, L. H. C. A construção da paisagem através do manejo dos recursos naturais e a valorização do etnoconhecimento. In: Povos e paisagens: etnobiologia, etnoecologia e biodiversidade no Brasil. Recife: NUPEEA/UFRPE, 2007. p.61-74.

  • SAHLINS, M. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um objeto em via de extinção. (Partes 1 e 2). Disponível em: . Acesso em: agosto de 2011.

  • WEIL, Pierre; TOMPAKOW, Roland. O Corpo Fala: a linguagem silenciosa da comunicação não verbal. 68.ed. Petrópolis, Vozes, 2011.

  • VIEIRA, P. F. Gestão de recursos comuns para o ecodesenvolvimento. In: Gestão integrada e participativa de recursos naturais – conceitos, métodos e experiências. Florianópolis: Secco/APED, 2005. p.334-377.

Ligue:

(21) 2215-3671

Endereço: 

Avenida Treze de Maio, 33 - Bloco: B, Sala 1.715

Rio de Janeiro/RJ

Instituto Eventos Ambientais © 2017 - Desenvolvido por 21 Digital